Posts Tagged ‘reaproveitamento’

Envelopes da Cosac Naify com sobras de gráfica

No final do ano passado a Cosac Naify lançou uma linha de envelopes de presente feitos a partir de folhas de teste de gráficas. Resultado super simples e bem legal.

Os novos envelopes de presente da Cosac Naify acabam de chegar. Feitos a partir de “lixo gráfico”, os envelopes são estampados com imagens e cores de títulos da casa. Para confeccioná-los, nossas produtoras passaram três meses coletando o que, na indústria gráfica, chamamos de “malas”: papéis descartados que, no processo de impressão, são utilizados para acerto de cores. As folhas são geralmente passadas na máquina mais de uma vez, o que ajuda a estabilizar a carga das cores antes de imprimir por definitivo todo o restante do livro. Por isso nenhum envelope fica igual ao outro. Além de estarem disponíveis no showroom da editora (como parte da compra de livros), também serão enviados aos clientes que comprarem pela Loja virtual, a partir do dia 20 de dezembro.

Via Cosac Naify

Anúncios

ESPECIAL CARNAVAL – Vagina PET Reciclada

Bom, já é 4a.-feira de cinzas e mesmo assim ficou no OxO ? Sério?

Quem não conseguiu nada na folia de Momo, pegue as camisinhas, as garrafas pet, umas esponjas e caia dentro da sua própria vagina reciclada. Adianto que não usei, e não sei se funcionam, mas no site Caixa Pretta tem o passo a passo.

E este foi o especial Carnaval Sexo Sustentável. Em breve retomamos nossos posts habituais.

Bicicletas + verdes e design

Resolvi de última hora participar da promoção Recicle um Post da RedeEcoBlogs e lá vai minha contribuição.

A bicicleta Dahon é super charmosinha e deve ser ótimo poder chegar no trabalho, dobrá-la e guardar debaixo da mesa. Não sei se é resistente no dobra-dobra diário, e isso só o tempo dirá.

Como todo bem durável, ela terá um fim, pode ser ficando enferrujada, quebrada ou sem uso e por isso resolvi pesquisar algumas alternativas para esse meio de transporte tão comum em Amsterdam e na China.

A primeira dica seria torná-la mais verde transformando a energia que “vai embora” nas pedaladas em carga para o celular. A invenção foi criada pelo designer Oscar L´Hermitte e se chama Watts Maker. Tem uma entrevista rápida no blog Wire Fly com o inventor da dita cuja. E o MIT não deixa por pouco e desenvolveu uma roda inteligente que armazena energia para usar em subidas e outras situações. A idéia é incentivar o uso das magrelas em longas distancias.

Partindo para uma solução pós-consumo o estúdio Bike Furniture projeta móveis super modernos a partir de bicicletas reaproveitadas. No site deles  você poder ver todas as últimas criações e quem sabe até encomendar um projeto.

Na mesma linha há o pessoal do Resource Revival, que desde 1994, cria acessórios e objetos de decoração, reaproveitando as bikes. A idéia por essa onda toda partiu de Graham Bergh.

E para quem quer fazer a sua própria criação em casa, segue um tutorial de como construir a sua própria bicicleta utilizando materiais facilmente encontrados nas cidades.

Em tempos que as bicicletas públicas do Rio de janeiro foram todas roubadas, poderia ser uma ótima solução!

#ficadica: Proteste contra o uso abusivo de carros na Pedalada Pelada. A próxima vai rolar no sábado, dia 13 de março de 2010 às 12h. A concentração para pintura dos corpos e preparação das alegorias vai ser na Praça do Ciclistae a pedalada começa às 14h. Super refrescante!

Theo Jansen – Esculturas kineticas

As esculturas kineticas de Theo Jansen construídas com tubos plásticos e garrafa de limonada, foram projetadas para sobreviverem em ambientes hostis. E são absurdamente surpreendentes! Elas circulam livremente alimentadas pelo vento, convertido em energia a partir de rodas, pistões e articulações.

Estou até agora bobo com a perfeição dos movimentos totalmente integrados com a nossa percepção de movimentação natural.

The Jansen no Canarias 7No Bombay Shapphire

.

.

Vitor Paper – O papel feito de plásticos reaproveitados

Saiu em 3/11/09, uma reportagem no site da Época Negócios sobre um papel feito de dejetos plásticos. Trata-se do Vitopaper, um papel sintético feito de lixo plástico, mas “com aparência e toque do papel-cuchê”.

O site apresenta uma visão geral do papel, suas qualidades e usos. A animação do processo produtivo assusta num primeiro momento mas é fácil de assimilar.

” Os filmes de BOPP Vitopel são recicláveis, podendo ser reutilizados na produção de diversos artefatos.Durante o processo produtivo do BOPP Vitopel não há emissão de gases nocivos nem o descarte de resíduos sólidos no ambiente. As embalagens convertidas a partir de filmes de BOPP podem ser recicladas, desde que os insumos agregados durante a conversão sejam adequados, pela origem e quantidade empregada.O processo de queima (incineração) das embalagens pode ser utilizado para recuperação de energia por meio da geração de calor em caldeira, seja para uso do vapor ou para a geração de energia elétrica.”

Vamos verificar. Até breve.

Observe! Quando ficar até depois do expediente, perceba como várias pessoas esquecem de desligar o monitor antes de ir embora.

Dicas práticas para designers – Parte I

Esta é a primeira parte de uma série de dicas práticas para os designers, com soluções para gastar menos e fazer impressos menos poluentes.

1- Aproveitamento do papel
Procure sempre utilizar o máximo da folha, seja ela AA ou BB. Facilita bastante usar uma tabela de corte ara prever tamanhos e finalizar certinho o trabalho sem desperdício.

Se você for uma pessoa organizada, faça seu planejamento prevendo todo material que será produzido.Você pode conseguir bons descontos rodando vários trabalhos com um bom apoveitamento do tamanho das folhas. Tente rodar todos jobs do mesmo projetos de uma vez. Será mais fácil o controle do padrão de cores na impressão e  os descontos com as gráficas aumentam.

E invente: se o trabalho do cliente for desperdiçar algum espaços aproveite para suas criações experimentais.

2 – Menor gramatura = menos custo
Como o papel é medido em gramas por metro quadrado diminuindo a gramataura dos impressos eles dimuem de peso e consequentemente de preço. Impressos menores como folders com dobras e lâminas – exemplo, 10 x 15 – tendem a ser mais rígidos decorrente da sua área, portanto uma folha de 180g/m pode ser facilmente substituída por outra de 115g/m.

3 – Menos acabamentos = mais reciclagem
Quanto mais laminações, vernizes, plastificações e outros acabamentos o impresso receber, mais difícil será a sua reciclagem. Apesar de dar um plus ao trabalho os acabamentos são responsáveis pela grande maioria de resíduos nao reciclaveis. Existem muitas soluções criativas que podem fazer o trabalho sobressair, aliado ao pensamento ecológico.

04 – Tintas vegetais = menos metais pesados
Pergunte se seus fornecedores trabalham com tintas vegetais. Mesmo a maioria da tintas offser tendo o controle de teor de metais pesados e baixo odor residual, ainda assim a aplicação de vernizes é bastante nociva ao meio ambiente. Em 2009, o orçamento de impressos usando tintas vegetais ficava por volta de 6% a mais que o mesmo utilizando com tintas comuns.

05 – Reduzir = menos desperdício e menos poluição = mais economia
Essa é para lembrar todos os dias. E-mails impressos, papéis que podem ser reaproveitados como rascunho, emissão da VIA CLIENTE em cartões de débito, copos de plástico do café, entre outros fazem parte de nossa lista de lixo. Seja consciente na utilização e reaproveitamento dos materiais.

Em breve a segunda parte das dicas.

Outdoor reciclado da MPM para Leroy Merlin

Outdoor Sustentável Leroy MerlinA Leroy Merlin vem inovando. Para a inauguração da  sua primeira loja em Niterói foi instalado um outdoor sustentável feito totalmente com madeira reutilizada da própria obra. A peça traz a seguinte frase pintada na madeira: “Nova Leroy Merlin. Tão preocupada com o meio ambiente que a madeira da construção virou placa”. A criação é da agência MPM

A Leroy Merlin desenvolveu o seu programa de sustentabilidade – Construir e Sustentar Leroy Merlin – com um selo próprio. Onde você encontrar este Selo tem ações, atitudes, soluções ou produtos que ajudam na preservação do meio ambiente e na construção de um mundo melhor.